ENERGIA

O uso racional da energia e a eficiência energética constituem as melhores vias para combater as alterações climáticas, sendo essencial uma mudança na atitude dos cidadãos em relação à utilização da energia que se reflecte nos gestos do quotidiano.

O sector energético está dividido na Oferta e na Procura, em que a primeira se refere, lato senso, aos ‘fornecedores’ de energia e a segunda aos ‘consumidores’.

Oferta

O conjunto dos vectores energéticos disponibilizados aos utilizadores:

Electricidade;
Combustíveis gasosos: gás natural ou outros tipos de gases;
Combustíveis líquidos: gasóleos, gasolinas, gases liquefeitos, etc.;
Combustíveis sólidos: lenha, ‘pellets’ ou outras biomassas;
Calor e Frio: disponibilizados através de redes.

Procura

Representa as necessidades energéticas dos utilizadores:

Iluminação;
Electricidade específica: electrodomésticos;
Climatização: aquecimento, arrefecimento;
Mobilidade;
Produção de bens e serviços: industriais, alimentares, etc...

Até que a Oferta consiga garantir o fornecimento de energia com menores emissões de substâncias nocivas para o meio ambiente, teremos de utilizar fontes fósseis pelo que é fundamental a selecção do vector em função da finalidade, privilegiando sempre aquele que menos matéria-prima utiliza e que menos perdas comporta no processo de conversão e transporte.

A electricidade, antes de o ser, foi água nas barragens, foi vento nas turbinas eólicas, mas foi principalmente combustíveis fósseis nas centrais térmicas. A conversão nestas centrais térmicas implica elevadas perdas (50 a 60%) às quais acrescem as perdas na rede de distribuição (10%). Desta forma, a electricidade que usamos em nossas casas representa apenas entre 30 e 40% da energia que lhe deu origem (primária). No entanto, o gás natural quando queimado directamente para fins de calor comporta perdas reduzidas, abaixo dos 20%.

A utilização de colectores solares térmicos para produção de águas quentes sanitárias é outra medida a adoptar, pois numa casa o sol pode contribuir com cerca de 70% do total da energia necessária para a produção da água quente.


  • CONCEITOS
  • CASA TERMICAMENTE OPTIMIZADA
  • LEGISLAÇÃO
  • 
    AdEPorto © 2013 Agência de Energia do Porto Produced by 4Best RSS